top of page
  • Vera Galante

O QUE ESPERAR DA VISITA DE LULA AOS EUA

Vivemos uma proximidade inédita com os EUA, surpreendente até. Brasil e Estados Unidos sempre foram próximos, mas nunca aliados automáticos, como são alguns países europeus, por exemplo. Nossas economias são concorrentes, e nem sempre votamos da mesma maneira em organismos internacionais. A visita que se iniciará dia 2 de fevereiro será, certamente, diferente de todas as anteriores por várias razões que tentarei explicar a seguir.

Tanto Biden quanto Lula representam uma volta a um passado conhecido. Os ex-presidentes de ambos os países concorreram à reeleição certos da vitória que não veio. Biden, em 2020, representava a volta a um passado seguro – um homem público com longa carreira no senado e vice-presidente por 8 anos durante os dois mandatos do ex-presidente Barak Obama. Aqui o eleito foi Luiz Inácio Lula da Silva, um homem público com longa militância sindicalista, deputado constituinte e presidente da república por 8 anos. Tanto Biden como Lula não representam surpresa para os eleitorados de ambos os países, depois de uma “aventura” semelhante com políticos inexperientes e sem programas definidos em seus respectivos países.

Além disso, Biden e Lula têm a missão de reforçar os valores democráticos tão aviltados nos anos anteriores a eles, culminando, nos dois casos, com depredação de bens públicos para a manutenção (lá) e a volta (aqui) de Trump e Bolsonaro por meios ao menos, digamos, não democráticos. Eles têm muito o que conversar nesse sentido porque nenhum dos dois pode falhar – devem dar o exemplo para o mundo que a democracia é a melhor forma de governo, e que ela tem que ser fortalecida e vigiada em todo o tempo. Isso explica porque governo dos EUA rapidamente reconheceu a vitória de Lula publicamente, através de nota do Departamento de Estado e telefonema de Biden a Lula na mesma noite. O recado de que os EUA não aceitariam qualquer resultado que não fosse o expressado nas urnas eletrônicas sempre foi claro – desde antes do primeiro turno. Várias delegações visitaram o Brasil já antes do primeiro turno com o mesmo recado.

O presidente Lula e o presidente Biden demonstram também compromisso com o meio ambiente, direitos humanos e inclusão como determinantes da economia e de outros processos. Isso é novidade tanto lá como cá, já que os presidentes anteriores pouco se importavam com essas causas. Portanto, o tema economia e comércio volta à pauta permeados por essas bandeiras. Lula tem a seu favor, por exemplo, a evidência da depredação da Amazônia brasileira (desmatamento, garimpo ilegal com a consequente poluição dos rios...) além da crise humanitária da tribo Yanomami. Biden já manifestou desejo de ajudar o Brasil neste ponto e pode muito bem anunciar alguma ajuda substancial no curto prazo. A devastação da Amazônia custa muito caro para o Brasil e para o mundo, portanto o desejo de ajudar é grande. O agronegócio não deixará de estar nas conversações bilaterais, mas um agro mais sustentável – o que agrega valor aos nossos produtos.

O Brasil também pode se beneficiar grandemente de um avanço no parque tecnológico. Os EUA não gostariam de ver o aumento da indústria chinesa por aqui, portanto pode propor algum incentivo para que o Brasil use a tecnologia vinda do norte. Aliás, a China e a expansão de seu comércio e influência preocupa muito os dois países.

Não se espera que Biden seja a inspiração para o Lula como Trump foi para Bolsonaro, mas certamente têm muito o que conversar. Por exemplo, espera-se que os dois divirjam sobre a guerra da Ucrânia e as penalidades impostas à Rússia, mas divergências fazem parte do diálogo e do relacionamento entre democracias. O constante diálogo, com concordância e divergência, é saudável e muito bem-vindo. Esperamos que o relacionamento entre os dois países seja um relacionamento que vá muito além do relacionamento pessoal de dois presidentes.


Opmerkingen


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page