top of page
  • Rogério Schmitt

BOLSONARO JÁ PAROU DE CRESCER

Maio ainda nem chegou ao fim, mas acredito já ser possível demonstrar que foi interrompida a recente tendência de crescimento das intenções de voto no presidente Bolsonaro. E o favoritismo do ex-presidente Lula ainda está longe de ser ameaçado.


Ironicamente, maio seria também o mês em que diversos apoiadores do presidente Bolsonaro (como o deputado Arthur Lira, presidente da Câmara) vinham apontando como o “mês da virada”, no qual o atual presidente ultrapassaria o candidato petista.

Isto não aconteceu, e nem vai mais acontecer. Pelo menos não neste mês que está em curso.


Vamos analisar a seguir os resultados agregados de 40 pesquisas nacionais de opinião, conduzidas desde o início do ano por 8 diferentes empresas de pesquisa. O indicador selecionado serão as intenções de voto estimuladas em Lula e em Bolsonaro.


Na prática, vamos comparar as 5 pesquisas realizadas em janeiro, com as 8 de fevereiro, com outras 10 de março, com as 8 de abril e com as 9 que já vieram a público em maio até o momento.


Como podemos observar na figura acima, as médias de intenções de voto em Lula permaneceram absolutamente estáveis ao longo de todo o ano, oscilando entre 41,7% e 43,2% dos entrevistados. Após ligeiras quedas em fevereiro e março, Lula recuperou espaço em abril e maio. Mas todas estas variações estão dentro das margens de erro das pesquisas.


Por sua vez, também é nítido o crescimento contínuo de Bolsonaro. Entre janeiro e abril, a média das intenções de voto no atual presidente passou de 24,6% para 32,6% (um aumento expressivo de oito pontos percentuais). E o maior crescimento de Bolsonaro ocorreu justamente em abril, após Sergio Moro ter abandonado a corrida presidencial.


No entanto, fica claro que maio foi o primeiro mês de estabilidade na trajetória de Bolsonaro nas pesquisas de intenção de voto. Ele não retrocedeu, mas o presidente claramente parou de crescer. Se já bateu ou não no teto, somente o tempo poderá dizer.


A vantagem de Lula sobre Bolsonaro na média das pesquisas é de exatos 10 pontos percentuais, restando pouco mais de 4 meses até a data do primeiro turno. Parece muito pouco provável que estas posições se invertam até 2 de outubro. Mas parece extremamente provável que ambos se enfrentem novamente em um segundo turno (previsto para 30 de outubro).



Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page